Contador de visitas

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Casarão abandonado ameaça cair em São Luís

Casarão abandonado está situado na Rua do Sol, na capital.
Parte do casarão começou a desmoronar no final de semana.

Do G1 MA, com informações da TV Mirante

Com o período de chuvas intensas algumas situações de risco já começam a surgir em São Luís. Como é o caso de um casarão abandonado na Rua do Sol, situado na área do Centro Histórico da capital, onde a sua fachada já começa a desmoronar.
Pedaços do casarão estão se espalhando pela a calçada da via aumentando a possibilidade de acidentes no espaço.
Parte do casarão que já está em ruínas começou a desmoronar no final de semana. Além disso, boa parte da parede está bem encharcada em virtude das chuvas ocorridas nos últimos dias em São Luís, o que pode sinalizar novos desmoronamentos na região.
Segundo os meteorologistas, no primeiro trimestre deste ano as chuvas serão mais intensas e esta previsão pode significar também novos desmoramentos ao redor dos casarões que fazem parte do Centro Histórico de São Luís.
Em dezembro do ano passado um mapeamento foi realizado pela Defesa Civil de São Luís que constatou que dos 70 casarões que estavam ameaçados de desabar. Deste número, 24 casarões ainda são ocupados por famílias.
    Pedaços do casarão estão se espalhando pela a calçada aumentando a possibilidade de acidentes  (Foto: Reprodução/TV Mirante)

  •  
Pedaços do casarão estão se espalhando pela a calçada aumentando a possibilidade de acidentes (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Ainda no mercado, Moto confirma contratação do zagueiro Renan Dutra

Defensor foi campeão do Maranhense em 2016 e voltará a vestir a camisa do clube

Por São Luís, MA

Depois de longa negociação, o zagueiro Renan Dutra finalmente acertou seu retorno ao Moto. O jogador foi anunciado pelo Rubro-negro e chega para reforçar um setor considerado carente pela diretoria do clube.
Renan Dutra é o primeiro reforço desde a chegada do técnico Marcelo Vilar. Porém, o jogador já vinha sendo negociado antes mesmo da chegada do treinador.
Moto Club joga contra Sampaio pelo Campeonato Maranhense 2016 no Castelão (Foto: Welliandrei Campelo / Moto Club)

Renan Dutra foi um dos principais nomes no título do Maranhense 2016 (Foto: Welliandrei Campelo / Moto Club)
Renan Raymond Guimarães Dutra tem 25 anos e 1m89cm. Além da passagem recente no Moto Club, o jogador também já esteve no Taubaté-SP, seu último clube, União Barbarense-SP e Itapirense-SP.
O jogador deverá ficar a disposição do técnico Marcelo Vilar ainda esta semana. Junto com a comissão técnica, a direção do Moto continua modelando o elenco e seguirá anunciando novos nomes após entrega da avaliação do técnico Marcelo Vilar.

COMEÇA HOJE! População de São Luís pode contar com o serviço do Uber

 
Uber começa operar hoje na capital maranhense

Uber começa operar hoje na capital maranhense
A população de São Luís pode contar com o serviço do Uber – empresa multinacional norte-americana, prestadora de serviços eletrônicos na área do transporte privado urbano e baseada em tecnologia através de um aplicativo que oferece um serviço semelhante ao táxi tradicional, conhecido popularmente como serviços de “carona remunerada”.
O Uber na capital maranhense começa a funcionar efetivamente a partir das 14h de hoje, dia 21. A gerente de Comunicação da plataforma Uber, Letícia Mazon, informou que o serviço será com carros mais compactos e com preços de corridas mais acessíveis.
Mazon não revelou quantos veículos estão habilitados para circular em São Luís. Disse apenas que “são 50 mil parceiros em todo Brasil que atendem a quase 9 milhões de usuários”. Ela falou ainda que a Uber não é concorrente dos táxis e nem do transporte público.
Os carros que irão operar no Uber – pelo menos por enquanto, serão o Honda Fit e HB20, todos com ar-condicionado e quatro portas.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Prefeito de Pinheiro pagará servidores antes do carnaval

 

Prefeito Luciano Genésio
Funcionários do município de Pinheiro serão pagos até a próxima sexta-feira (24).
A determinação foi do prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio (PP), que pretende garantir que o servidor possa curtir com dinheiro no bolso e o recurso circule dentro da cidade durante o período carnavalesco.
O plano da Prefeitura é que com a regularização da folha dos município, os servidores recebam seus salário dentro do mês de referencia. Por isso, o salário da categoria já deverá sair até sexta, que é o último dia útil do mês.
Em breve a Secretaria de Administração deverá divulgar o calendário de pagamento do funcionalismo público em 2017

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Ação de perseguição do grupo Sarney contra Edmar Cutrim é arquivada

Conselheiro Edmar Cutrim

Conselheiro Edmar Cutrim
Em decisão proferida no último dia 10, o ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou o arquivamento de uma ação movida pelo diretório nacional do PMDB contra o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão, Edmar Cutrim.
A ação foi proposta em 2014 e o partido, através de seus advogados, alegou suposto abuso de poder político praticado por Cutrim quando este, à época, exercia o cargo de presidente da Corte de Contas.
Decano do STJ e relator do processo, Felix Fischer seguiu parecer do Ministério Público Federal que afirmou, após a realização de inúmeras diligências, “não ter encontrado nos autos elementos que vinculem o conselheiro as condutas que deram origem à investigação, nem elementos que justifiquem a continuidade da apuração. Ante as razões expostas pelo Ministério Público Federal, determino o arquivamento da presente sindicância”.
A decisão do ministro, além de restabelecer a verdade dos fatos, é mais uma prova concreta de que o conselheiro do TCE sempre exerceu suas funções de forma idônea e imparcial.
Edmar Cutrim foi bastante perseguido pelo grupo Sarney durante o período eleitoral e até depois das eleições. O candidato derrotado à época, Edinho Lobão, se juntou com a ex-governadora Roseana Sarney para tentar afastar Edmar da presidência do Tribunal. Roseana, inclusive, chegou até invadir a casa do conselheiro, que foi na Polícia Federal denunciá-la.
Resultado: todo o grupo saiu derrotado da ação, que além de não conseguir afastar o conselheiro, ainda recebe hoje a notícia de que o processo foi arquivada

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Agências da Caixa abrem mais cedo para tirar dúvidas sobre saque do FGTS inativo

AGÊNCIA BRASIL

Agências, também, abrirão aos sábados, uma vez por mês.

Quem não quiser ir até uma agência pode acessar o site da Caixa.

Quem não quiser ir até uma agência pode acessar o site da Caixa. - Foto: Reprodução/Internet
A Caixa Econômica Federal passou a abrir as agências duas horas mais cedo a partir de hoje (15), para atender aos beneficiários que queiram saber o saldo ou retirar dúvidas referentes ao saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Os saques serão realizados entre 10 de março e 14 de julho.
Para reforçar os atendimentos, a Caixa vai abrir as agências também nos primeiros sábados dos cronogramas mensais de pagamento (com exceção de abril, mês que a data coincide com a Semana Santa). As datas serão 18 de fevereiro, 11 de março, 13 de maio, 17 de junho e 15 de julho.

Pesquisa desvenda processo de ocupação e aspectos socioeconômicos de grupos indígenas em São Luís

Os tupi-guaranis habitaram uma extensa região do Brasil.

Tronco Tupi é o principal grupo indígena do Brasil.

Tronco Tupi é o principal grupo indígena do Brasil. - Foto: Reprodução
SÃO LUÍS - Os índios do tronco Tupi são o principal grupo indígena do Brasil, em que se destaca a família tupi-guarani. Essa designação é linguística e se refere a um conjunto de línguas aparentadas, faladas por uma grande quantidade de tribos indígenas. Não existia, propriamente, uma única língua, nem se compartilhava uma única cultura, o que justifica diferenças nas organizações sociais e nos costumes, bem como na produção material. Essa distinção foi considerada na pesquisa Carta arqueológica dos sítios tupi-guaranis na Ilha de São Luís, Maranhão, dirigida pelo coordenador do Laboratório de Arqueologia da Universidade Federal do Maranhão, Pós-doutor em Arqueologia Histórica, pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Alexandre Guida Navarro. O projeto foi desenvolvido no período de 2010 a 2012 e teve como principal objetivo produzir uma carta arqueológica, por meio do mapeamento dos sítios desses grupos indígenas existentes na capital maranhense.
Para a produção dessa carta, o projeto utilizou a metodologia do estudo sistemático da área geográfica compreendida pelos sítios tupi-guaranis, que estão espalhados por toda a ilha e pelo continente sendo, inclusive, citados em livros escritos pelos colonizadores durante o processo de colonização, nos séculos XVI e XVII. Navarro revela que foram feitas prospecções intensivas na região, com o objetivo de registrar e catalogar por meio dos sistemas GPS e GIS (Geographical Information System), com vistas a criar um mapa topográfico desses locais. De acordo com ele, uma vez catalogados torna-se possível a criação de um banco de dados para entender o processo de ocupação desses povos na Ilha de São Luís. “Estes equipamentos são importantes porque localizam no mapa o local exato dos sítios arqueológicos. A partir disso, podemos estudar a relação deles com o espaço circundante, como os rios e os morros. Deste modo, são ferramentas importantes para entender a ocupação humana em determinado território”, explica.
Alexandre Navarro revela que a pesquisa seguiu uma ação metodológica que permitisse uma sistematização de dados que possibilitasse a interpretação do significado do passado humano a partir da cultura material. “Dessa forma pudemos identificar as semelhanças e diferenças do registro arqueológico de cada sítio, bem com seus contextos específicos”. Ele conta que, considerando-se as peculiaridades de cada espaço, os pesquisadores puderam construir a proposta de ocupação humana, inclusive em uma esfera macrorregional.
A carta arqueológica, diz o pesquisador, fornece um catálogo de sítios que, inventariados, funcionam como base de dados para a elaboração de pesquisas pontuais. Ele conta que os pesquisadores conseguiram identificar muitas das 27 aldeias da ilha com relação ao nome. “A nossa pesquisa mostrou que D’Abbeville se preocupou realmente em localizar as grandes aldeias da ilha. Se suas descrições sobre os sítios são verdadeiras, é muito provável que as demais descrições que ele fez dos índios também o são. É preciso que esta pesquisa continue. Há muito que se descobrir ainda”, diz. “Comparamos a denominação das antigas aldeias com os nomes dos bairros atuais. Falta ir aos locais e reconhecê-las. Além disso, algumas delas estão enterradas sob o asfalto por conta do crescimento das cidades da ilha. Mas muitas continuam lá”, acrescenta.
Outro fato descoberto sobre a ocupação é que os tupi-guaranis habitaram uma região bastante extensa do território brasileiro, indo desde o sul do Rio Grande do Sul, pelo litoral, até o Nordeste chegando ao sul da Amazônia. “Também se fixaram na região do Pantanal, em alguns locais do sertão, o Paraguai e a Bolívia. Eles davam preferência a regiões tropicais e subtropicais, em locais próximos às matas ciliares devido à fertilidade do solo e das áreas de rios navegáveis, visto utilizarem o transporte por canoas”, conta Alexandre Navarro.
Ramificação
Outra proposta da pesquisa, segundo Navarro, foi introduzir uma linha de investigação em Arqueologia no curso de História da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). “Conseguimos implantar na área de Cultura Material”, conta, satisfeito, o professor.
O projeto também fez um estudo sobre o que foi identificado como comércio de longa distância e circulação de bens de prestígio entre as sociedades. Navarro revela que, por meio das crônicas pesquisadas, foram identificados vários objetos que eram trocados pelos tupi-guaranis, como é o caso das pedras verdes, muito escassas no Maranhão, e que eram comercializadas por serem considerados objetos de prestígio. “Outro produto importado eram algumas conchas, que também tinham simbolismos importantes, como a fertilidade, e eram trazidos da costa do Pará, por exemplo”, revela.
Sobre os bens de prestígio, Navarro explica que se trata de objetos usados pela elite, pelos chefes indígenas e que tinham um simbolismo importante entre eles, “ou seja, eram identificados coletivamente entre todas as sociedades e as pessoas, ao reconhecê-los, imediatamente sabiam que seus portadores eram pessoas importantes, alguém de destaque na sociedade”. Um dos bens de prestígios mais importantes entre os tupi-guaranis, era o tembetá, um objeto feito de pedra verde (geralmente uma nefrita, parente do jade) que era polido e colocado abaixo dos lábios nos homens, indicando masculinidade e poder. “Este tipo de material é muito difícil de ser encontrado nas escavações pelo fato de estarem restritos às elites, mas as crônicas mencionam trocas realizadas entre as diversas aldeias. Artefatos de luxo também foram comercializados, o que indica certa complexidade social”, finaliza Alexandre Navarro.