Contador de visitas

segunda-feira, 18 de junho de 2018

MEC divulga resultado do Sisu nesta segunda-feira

Ensino superior
 
 As matrículas nas instituições de ensino poderão ser feitas entre 22 e 28 de junho.
 
Agência Brasil


O resultado será divulgado na página do programa. ( Foto: Divulgação)
BRASÍLIA - O Ministério da Educação (MEC) divulga hoje (18) o resultado do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Nesta edição, o programa oferece 57.271 vagas em 68 instituições públicas de ensino superior em todo o país. O resultado será divulgado na página do programa na internet.
Os estudantes selecionados deverão fazer a matrícula nas instituições de ensino entre 22 e 28 de junho. Aqueles que não foram selecionados poderão participar da lista de espera. O prazo para que isso seja feito é de 22 a 27 de junho. A convocação dos candidatos em lista de espera será de 3 de julho a 21 de agosto.
Podem concorrer às vagas os estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2017 e obtiveram nota acima de zero na redação.
As vagas serão oferecidas em oito instituições públicas estaduais, uma faculdade pública municipal e 59 instituições públicas federais, com dois centros de Educação Tecnológica, 27 institutos federais de Educação, Ciência e Tecnologia e 30 universidades.

sábado, 16 de junho de 2018

STF pode julgar pedido de liberdade de Lula no próximo dia 26

Política
 
 Defesa quer suspender condenação em segunda instância do ex-presidente.
 
André Richter / Agência Brasil


BRASÍLIA - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin liberou para julgamento recurso protocolado pela defesa para suspender a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O caso deve ser julgado pela Segunda Turma da Corte no dia 26 de junho, conforme sugestão do ministro. Se a condenação for suspensa como foi pedido pelos advogados, o ex-presidente poderá deixar a prisão e também se candidatar às eleições.
O ex-presidente está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde o dia 7 de abril, por determinação do juiz Sérgio Moro, que ordenou a execução provisória da pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex em Guarujá (SP). A prisão foi executada com base na decisão do STF que autorizou prisões após o fim dos recursos segunda instância da Justiça.
Na petição enviada ao Supremo, a defesa do ex-presidente alega que há urgência na suspensão da condenação, porque Lula é pré-candidato à Presidência e tem seus direitos políticos cerceados ante a execução da condenação, que não é definitiva.
"Além de ver sua liberdade tolhida indevidamente, corre sério risco de ter, da mesma forma, seus direitos políticos cerceados, o que, em vista do processo eleitoral em curso, mostra-se gravíssimo e irreversível", argumentou a defesa.
Além de Fachin, a Segunda Turma do STF é composta pelos ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewadowski, Dias Toffoli e Celso de Mello.

sexta-feira, 15 de junho de 2018

PGR pede mais prazo para investigar Michel Temer e ministros

Política
 
 O caso envolve o suposto favorecimento da empresa Odebrecht ao MDB.
 
André Richter / Agência Brasil


BRASÍLIA - A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu hoje (14) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a prorrogação por mais 60 dias do inquérito que tem o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) como investigados.
A prorrogação será decidida pelo relator do caso, ministro Edson Fachin. O caso envolve o suposto favorecimento da empresa Odebrecht durante o período em que Padilha e Moreira Franco foram ministros da Secretaria da Aviação Civil, entre os anos de 2013 e 2015. Na época, Temer era vice-presidente da República.
De acordo com depoimento de delação premiada do ex-executivo da Odebrecht Claudio Melo Filho, houve um jantar no Palácio do Jaburu, em maio de 2014, para tratativas de um repasse de R$ 10 milhões como forma de ajuda de campanha para o PMDB, atualmente MDB.
Após ser incluindo no inquérito pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin, o presidente Temer enviou uma carta à PGR defendendo que o presidente da República deve responder somente “por atos que guardem estrita relação com o exercício do mandato”.

Termina hoje o prazo de inscrições para o Sisu

Programa
 
 Nesta edição, o programa oferece 57.271 vagas em 68 instituições públicas de ensino superior em todo o país. 
 
Imirante.com, com informações da Agência Brasil


As inscrições são feitas apenas pela internet. ( Foto: Divulgação)
BRASÍLIA - Hoje (15) é o último dia para participar do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Nesta edição, o programa oferece 57.271 vagas em 68 instituições públicas de ensino superior em todo o país. Pode concorrer às vagas quem fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2017 e obteve nota acima de zero na redação.
As inscrições são feitas apenas pela internet. O sistema fica aberto até as 23 horas e 59 minutos, no horário de Brasília.
Leia também:
Ao entrar no sistema, o candidato deverá escolher, por ordem de preferência, até duas opções de curso entre as vagas ofertadas. É possível alterar essas opções durante todo o período de inscrição. A última modificação confirmada é a considerada válida.
Hoje também os estudantes podem consultar a última divulgação das notas de corte, ou seja, a nota mínima para ingressar no curso, na modalidade pleiteada. Para calcular a nota de corte dos cursos, por modalidade de concorrência, o Sisu considera o número de vagas disponíveis e o de inscritos até ontem (14). O Ministério da Educação alerta que a nota de corte é, portanto, apenas uma referência e não assegura a classificação final.
As vagas serão oferecidas em oito instituições públicas estaduais, uma faculdade pública municipal e 59 instituições públicas federais, com dois centros de Educação Tecnológica, 27 institutos federais de Educação, Ciência e Tecnologia e 30 universidades.
O resultado da chamada regular está previsto para o dia 18 de junho. O período de matrícula vai de 22 a 28 de junho e o prazo para participar da lista de espera é de 22 a 27 de junho.

Eleições 2018 No Maranhão, Bolsonaro critica comunismo e deseja “poucos votos” a Flávio Dino Gilberto Léda 15/06/2018 Presidenciável do PSL esteve em São Luís, onde lançou pré-candidatura ao lado da ex-prefeita Maura Jorge, que disputará o Governo do Estado 0 0 0 0 Bolsonaro foi aclamado, ao ladod e Maura Joge, ainda no aeroporto Bolsonaro foi aclamado, ao ladod e Maura Joge, ainda no aeroporto O deputado federal Jair Bolsonaro lançou ontem, em São Luís, sua pré-candidatura a presidente da República. Ao lado de Maura Jorge, ele também confirmou que a ex-prefeita é o nome do PSL para a disputa pelo Governo do Estado. O pré-candidato foi recebido por uma entusiasmada multidão ainda no Aeroporto Marechal Hugo Da Cunha Machado, onde improvisou um mini-palanque em cima de um carro de som e discursou aos seguidores. Depois, em entrevista coletiva no Centro de Convenções Pedro Neiva de Santana, voltou a fazer críticas ao comunismo - num recado claro ao governador Flávio Dino (PCdoB) – e às políticas assistencialistas dos governos do Partido dos Trabalhadores (PT). "Se o povo quer mudar, tem que tirar da cabeça esse negócio de comunismo e clientelismo. Vamos para a verdade que a gente tem como sair dessa situação", declarou. Bolsonaro também desejou “poucos votos” ao governador do Maranhão na eleição deste ano. “Onde já se viu comunista falar em democracia? Quando morreu um parente do ditador da Coreia do Norte, Kim Jon-un, o PCdoB fez uma Moção de Pesar, será que nós queremos viver como vive o coitado do povo coreano? Eu não engulo a palavra comunismo, nós evitamos em 64 que o Brasil mergulhasse no comunismo e a saída da Dilma foi mais um golpe neles. Boa sorte ao Flávio Dino e poucos votos a ele nessa eleição”, completou. O pré-candidato comentou, ainda, o fato de estar fazendo pré-campanha num estado que deu votações estratosféricas ao PT nas últimas eleições. Bolsonaro argumenta que as pessoas podem "mudar", "melhorar" ou "aperfeiçoar-se" e acredita que, por isso, mesmo eleitores que já votaram no PT podem escolhê-lo como candidato neste ano. "Não tô preocupado em reverter voto, não reverter. Eu estou me apresentando. Eu estive duas vezes em Roraima. Lá o eleitorado equivale a 0,3% do Brasil. Não é nada, mas estive lá. No Maranhão, sabemos que aqui sempre deu uma grande quantidade de votos para o PT, mas viemos conversar com todo mundo, independentemente se já votou no PT, ou não. Não interessa. Acho até que a Maura pode ter votado no PT no passado. Não tem problema nenhum. A pessoa muda, melhora, aperfeiçoa", comentou. "A mensagem que a gente dá é a seguinte: o que tira o povo da miséria é o conhecimento, não é o governo. O costuma é escravizar o povo", acrescentou. Plano de governo – O presidenciável do PSL reafirmou que ainda não tem um plano de governo definido, mas garantiu que ele não será “uma peça de ficção”, como diz acreditar serem os planos dos seus adversários. "Plano de governo geralmente é uma peça de ficção. Meu plano será o pior de todos, porque será verdadeiro”, declarou. Ele também criticou pesquisas eleitorais, ao afirmar que, num espaço de uma semana, um levantamento o colocou como líder em todos os cenários e outro, perdendo para todos os adversários num possível 2º turno. "Nós carecemos no Brasil de uma fonte de pesquisa confiável", disse. MAIS Criticado por, aparentemente, ter pouco conhecimento de economia, Jair Bolsonaro arriscou alguns comentários sobre o assunto em sua passagem pelo Maranhão. Segundo ele, uma de suas metas é, se eleito, diminuir o tamanho do Estado a partir de privatizações. “Quero diminuir o Estado, vamos diminuir se chegar lá, mas estatais estratégicas não estão no nosso radar”, disse. Ele também criticou a alta carga tributária imposta a empresários. “Quando se fala em economia, quem é que, em sã consciência, quer ser patrão no Brasil? É uma desgraça ser patrão aqui. Uma legislação complexa, uma carga tributária enorme”, comentou.

Eleições 2018
  •  
Presidenciável do PSL esteve em São Luís, onde lançou pré-candidatura ao lado da ex-prefeita Maura Jorge, que disputará o Governo do Estado
Bolsonaro foi aclamado, ao ladod e Maura Joge, ainda no aeroporto

Bolsonaro foi aclamado, ao ladod e Maura Joge, ainda no aeroporto
O deputado federal Jair Bolsonaro lançou ontem, em São Luís, sua pré-candidatura a presidente da República. Ao lado de Maura Jorge, ele também confirmou que a ex-prefeita é o nome do PSL para a disputa pelo Governo do Estado.
O pré-candidato foi recebido por uma entusiasmada multidão ainda no Aeroporto Marechal Hugo Da Cunha Machado, onde improvisou um mini-palanque em cima de um carro de som e discursou aos seguidores.
Depois, em entrevista coletiva no Centro de Convenções Pedro Neiva de Santana, voltou a fazer críticas ao comunismo - num recado claro ao governador Flávio Dino (PCdoB) – e às políticas assistencialistas dos governos do Partido dos Trabalhadores (PT).
"Se o povo quer mudar, tem que tirar da cabeça esse negócio de comunismo e clientelismo. Vamos para a verdade que a gente tem como sair dessa situação", declarou.
Bolsonaro também desejou “poucos votos” ao governador do Maranhão na eleição deste ano.
“Onde já se viu comunista falar em democracia? Quando morreu um parente do ditador da Coreia do Norte, Kim Jon-un, o PCdoB fez uma Moção de Pesar, será que nós queremos viver como vive o coitado do povo coreano? Eu não engulo a palavra comunismo, nós evitamos em 64 que o Brasil mergulhasse no comunismo e a saída da Dilma foi mais um golpe neles. Boa sorte ao Flávio Dino e poucos votos a ele nessa eleição”, completou.
O pré-candidato comentou, ainda, o fato de estar fazendo pré-campanha num estado que deu votações estratosféricas ao PT nas últimas eleições.
Bolsonaro argumenta que as pessoas podem "mudar", "melhorar" ou "aperfeiçoar-se" e acredita que, por isso, mesmo eleitores que já votaram no PT podem escolhê-lo como candidato neste ano.
"Não tô preocupado em reverter voto, não reverter. Eu estou me apresentando. Eu estive duas vezes em Roraima. Lá o eleitorado equivale a 0,3% do Brasil. Não é nada, mas estive lá. No Maranhão, sabemos que aqui sempre deu uma grande quantidade de votos para o PT, mas viemos conversar com todo mundo, independentemente se já votou no PT, ou não. Não interessa. Acho até que a Maura pode ter votado no PT no passado. Não tem problema nenhum. A pessoa muda, melhora, aperfeiçoa", comentou.
"A mensagem que a gente dá é a seguinte: o que tira o povo da miséria é o conhecimento, não é o governo. O costuma é escravizar o povo", acrescentou.
Plano de governo – O presidenciável do PSL reafirmou que ainda não tem um plano de governo definido, mas garantiu que ele não será “uma peça de ficção”, como diz acreditar serem os planos dos seus adversários.
"Plano de governo geralmente é uma peça de ficção. Meu plano será o pior de todos, porque será verdadeiro”, declarou.
Ele também criticou pesquisas eleitorais, ao afirmar que, num espaço de uma semana, um levantamento o colocou como líder em todos os cenários e outro, perdendo para todos os adversários num possível 2º turno.
"Nós carecemos no Brasil de uma fonte de pesquisa confiável", disse.
MAIS
Criticado por, aparentemente, ter pouco conhecimento de economia, Jair Bolsonaro arriscou alguns comentários sobre o assunto em sua passagem pelo Maranhão. Segundo ele, uma de suas metas é, se eleito, diminuir o tamanho do Estado a partir de privatizações. “Quero diminuir o Estado, vamos diminuir se chegar lá, mas estatais estratégicas não estão no nosso radar”, disse. Ele também criticou a alta carga tributária imposta a empresários. “Quando se fala em economia, quem é que, em sã consciência, quer ser patrão no Brasil? É uma desgraça ser patrão aqui. Uma legislação complexa, uma carga tributária enorme”, comentou.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Caixa e BB divulgam calendário de saques do PIS/Pasep

Economia
 
 O pagamento das cotas deve injetar R$ 39,5 bilhões na economia.
 
Pedro Rafael Vilela / Agência Brasil
 

BRASÍLIA - A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil (BB) divulgaram hoje (13) o calendário de saques das contas inativas dos fundos dos programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep). Mais cedo, em cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer sancionou a lei e assinou o decreto que regulamentam os saques, que agora poderão ser feitos por todas as pessoas que tem direito ao benefício, e não apenas para cotistas com 60 anos ou mais, como vigorava na regra anterior.
O pagamento das cotas deve injetar R$ 39,5 bilhões na economia, com impacto potencial no Produto Interno Bruto (PIB) na ordem de 0,55 ponto percentual. Cerca de 28,7 milhões de pessoas têm dinheiro em contas inativas do PIS/Pasep para resgatar. Desse total, 3,6 milhões já fizeram o saque até maio desse ano, num total de R$ 5 bilhões. Os outros R$ 34,3 bilhões ficarão disponíveis para serem sacados no Banco do Brasil (servidores públicos) e na Caixa Econômica Federal (trabalhadores do setor privado).
Agenda
Com início na próxima segunda-feira (18), cotistas do PIS/Pasep com idade a partir de 57 anos poderão procurar as agências do BB e da Caixa para sacar o benefício. Essa primeira etapa vai até o próximo dia 29 de junho. Depois disso, os pagamentos serão interrompidos, entre os dias 30 de junho e 7 de agosto, período em que são aplicadas as correções monetárias do exercício 2017/2018 sobre o benefício. No ano passado, por exemplo, o reajuste nos saldos foi de 8,9%. Nesse caso, segundo os bancos, quem puder esperar para sacar a partir de 8 de agosto, receberá um valor superior ao que está na conta atualmente.
A janela de saques do PIS/Pasep vai até o dia 28 de setembro, mas apenas para trabalhadores com até 59 anos. Aqueles que tem 60 anos ou mais, seguem valendo as regras que já estavam em vigor, que permitem o saque do benefício a qualquer tempo, inclusive após o fim de setembro.
Regras do BB
De acordo com o Banco do Brasil, responsável pelo pagamento dos saldos do Pasep, que beneficia servidores públicos, caso o cotista não seja correntista ou poupador do BB e possuir saldo de até R$ 2,5 mil, ele poderá realizar a transferência da sua cota via transferência eletrônica direta (TED) para conta de sua titularidade em outro banco, sem nenhum custo. A operação poderá ser feita nos terminais de autoatendimento do BB ou na internet (www.bb.com.br/pasep).
No mesmo portal na internet, os cotistas poderão conferir o quanto possuem de saldo na conta inativa. Para quem tiver saldo superior a R$ 2,5 mil, os saques poderão ser realizados nas agências do banco, bastando que o cotista apresente documento oficial de identificação.
Regras da Caixa
O saque das cotas do PIS, que beneficia trabalhadores do setor privado, será efetivado após a confirmação do direito nas agências da Caixa. Os pagamentos das cotas com valor até R$ 1,5 mil podem ser realizados no autoatendimento da Caixa apenas com a Senha Cidadão, sem a necessidade do Cartão do Cidadão, ou com Cartão Cidadão e senha nas unidades lotéricas e Caixa Aqui, mediante apresentação de documento oficial de identificação com foto.
Os saques de valores até R$ 3 mil podem ser feitos com Cartão do Cidadão e Senha Cidadão no autoatendimento, unidades lotéricas e Caixa Aqui, com documento de identificação oficial com foto.
Os valores acima de R$ 3 mil devem ser sacados nas agências, mediante apresentação de documento oficial de identificação com foto. A Caixa ainda orienta que os trabalhadores consultem o site www.caixa.gov.br/cotaspis para serem direcionados à melhor opção de pagamento, antes de se dirigirem a um dos canais oferecidos.
Herdeiros
No caso de cotistas falecidos, o beneficiário legal poderá sacar o PIS/Pasep na Caixa ou no BB. Para isso, ele deve se apresentar nas agências da respectiva instituição financeira portando documentos oficiais de identificação e comprovação da sua condição de herdeiro do cotista que tem saldo a receber.

Rússia e Arábia Saudita abrem hoje a 21ª edição da Copa do Mundo

Copa do Mundo da Rússia
 
 A bola vai rolar a partir das 12h (horário de Brasília).
Aécio Amado/Agência Brasil


Estádio Luzhniki (Foto: Reprodução)
BRASÍLIA - A Copa do Mundo Rússia 2018 tem início hoje (14), às 12h (horário de Brasília), com o jogo entre as seleções do país anfitrião e da Arábia Saudita, no histórico Estádio Luzhniki, em Moscou, palco da Olimpíada de 1980, e que foi reformado para a competição da Federação Internacional de Futebol (Fifa). Antes de a bola rolar, a festa oficial de abertura pretende mostrar um pouco da cultura russa para o mundo e para o público presente no estádio.
O árbitro principal da partida é o argentino Néstor Pitana, de 42 anos. Ele terá como auxiliares os também argentinos Hernán Maidana e Juan Pablo Bellati. Pitana participou da Copa de 2014, no Brasil, apitando quatro jogos, um deles das quartas-de-final, quando a Alemanha venceu a França por 1 x 0 no Maracanã, no Rio de Janeiro.
A seleção russa que entrará em campo nesta quinta-feira poderá ter na lateral-direita um brasileiro naturalizado russo: Mário Fernandes. O atleta foi revelado pelo Grêmio e atualmente integra o CSKA de Moscou, onde chegou em 2012. Mário faz parte da seleção da Rússia desde o ano passado.
Anton e Alexei Miranchuk são os gêmeos destaques do time russo. Os dois jogam no meio de campo e são estreantes em Copa. O time mais provável que deverá entrar em campo é formado por Akinfeev, Mário Fernandes, Granat, Ignashevich e Kudryashov, na defesa; Zobnin, Golovin, Zhirkov e Samedov, no meio de campo; e Miranchuk; Smolov, no ataque.
A Arábia Saudita disputa a sua quinta Copa do Mundo. Anteriormente, ela já havia participado das copas de 1994, 1998, 2002 e 2006. A equipe saudita conseguiu a classificação para a Rússia, disputando as eliminatórias asiáticas na mesma chave de Austrália e Japão. Apesar de não ser a favorita, superou a Austrália no saldo de gols. Os australianos também se classificaram, mas na fase de repescagem.
O melhor resultado da Arábia Saudita foi na Copa de 1994, nos Estados Unidos, chegou até as oitavas-de-final. Atualmente, o treinador é o argentino naturalizado espanhol Juan Antonio Pizzi. Osama Hawsawi, zagueiro de 34 anos, é o destaque. Pizzi deve colocar em campo hoje os seguintes jogadores: Al-Mosailem, Al-Shahrani, Omar Hawsari, Osama Hawsari, Al-Harbi, Otayf, Al-Jassam, Al-Shehri, Al-Muwallad, Al-Dawsari e Al-Sahlawi. Rússia e Arábia Saudita nunca se enfrentaram em uma Copa do Mundo.